Cotizaciones proporcionadas por Investing.com España.
Cliente 2

MILHO/CEPEA: INCERTEZAS QUANTO À PRODUTIVIDADE E ALTA DO DÓLAR ELEVAM PREÇO INTERNO

Cepea, 21/5/2018 – Preocupações quanto à produtividade das lavouras de segunda safra de milho seguem elevando os preços internos do cereal. Conforme colaboradores do Cepea, chuvas pontuais foram registradas em algumas regiões do Centro-Sul nos últimos dias, mas o volume foi considerado baixo para recuperar o potencial produtivo as lavouras.

Assim, incertos quanto à oferta de milho nos próximos meses, produtores estão retraídos do mercado, sustentando o movimento de alta dos preços. Entre 11 e 18 de maio, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa avançou 0,4% na região de Campinas (SP), a R$ 42,61/saca de 60 kg na sexta-feira, 18. Na parcial do mês, o Indicador acumula forte alta de 8,2%. A forte valorização do dólar neste mês também tem influenciado as altas dos preços internos. Desde o início de maio, a moeda norte-americana se valorizou 6,7% e, na parcial deste ano, 13,1%, atingindo R$ 3,74 no dia 18.

Fuente: CEPEA-Brasil

TRIGO/CEPEA: BAIXA OFERTA E CLIMA INFLUENCIAM ALTAS NO MERCADO INTERNO

Cepea, 22/5/2018 – As cotações do trigo no Brasil apresentaram fortes altas, especialmente em regiões consumidoras acompanhadas pelo Cepea. Em São Paulo, a disponibilidade é baixa e muitas indústrias precisam de grão para processar e atender contratos. Além da demanda, o clima também tem influenciado as altas internas. As chuvas, ainda que pontuais, retornaram nas regiões Sul e Sudeste do País, trazendo alívio para alguns produtores consultados pelo Cepea. Especialmente no Paraná, a precipitação ainda não foi suficiente para suprir os problemas ocasionados pela escassez das últimas semanas, mas colaboradores do Cepea ressaltam que há previsão de chuvas para os próximos dias.

Fuente: CEPEA-Brasil


MILHO/CEPEA: INDICADOR SOBE QUASE 5% EM SETE DIAS

Cepea, 14/05/2018 – O clima seco e a possível queda na produtividade têm preocupado agentes de mercado consultados pelo Cepea, que acompanham de perto o desenvolvimento das lavouras de milho de segunda safra. Nesse cenário, produtores/vendedores têm postergado as negociações de novos lotes, e compradores que precisam se abastecer no curto prazo são obrigados a ceder. Assim, os preços do milho continuam em elevação no mercado doméstico. Em Campinas (SP), o Indicador ESALQ/BM&FBovespa subiu 4,95% de 4 a 11 de maio, indo a R$ 42,43/sc de 60 kg na sexta-feira, 11.

Fuente: CEPEA-Brasil


TRIGO/CEPEA: SECA CONTINUA ATRASANDO SEMEIO DA SAFRA 2018

Cepea, 15/5/2018 – O semeio de trigo foi iniciado no Paraná na segunda quinzena de abril, mas as atividades ainda estão lentas, devido à estiagem na região Sul do País. Em função desse atraso, a área alocada ao cereal tanto no Paraná quanto no Rio Grande do Sul pode ser menor nesta temporada, segundo colaboradores do Cepea. De acordo com o Deral/Seab, apenas 7% da área havia sido semeada no Paraná até a semana passada, atraso de aproximadamente 20 pontos percentuais frente ao mesmo período de 2017. No Rio Grande do Sul, o cultivo ainda não foi iniciado. Em São Paulo e em Santa Catarina, produtores também estão atentos ao clima seco – as atividades nestes estados devem ser iniciadas com o retorno das chuvas. No mercado, as preocupações com o clima também deixam produtores retraídos, mantendo os preços do trigo em forte alta. Os negócios, por sua vez, têm sido pontuais, visto que a oferta de trigo de qualidade está baixa. Além disso, alguns compradores negociam apenas para repor estoques no curto prazo.

Fuente: CEPEA-Brasil


MILHO/CEPEA: COM ALTA DO DÓLAR E INCERTEZAS QUANTO À 2ª SAFRA, PREÇO REAGE EM ALGUMAS REGIÕES

Cepea, 30/4/2018 – Os preços de milho seguiram em queda durante quase todo o mês de abril na maioria das regiões acompanhadas pelo Cepea, pressionados por compradores e pela flexibilidade de vendedores. No entanto, algumas praças, especialmente as consumidoras, registraram reações nos últimos dias, impulsionadas por especulações quanto ao desenvolvimento das lavouras de segunda safra e pela valorização do dólar frente ao Real. Produtores também se retraíram na última semana do mês, firmes quanto aos valores de venda, atentos ao desenvolvimento das lavouras e no aguardo de melhores oportunidade de negócios, principalmente para exportação. O Indicador ESALQ/BM&FBovespa (Campinas/SP) subiu 0,41% entre 20 e 27 de abril, a R$ 38,98/sc de 60 kg no dia 27.

TRIGO/CEPEA: MESMO COM BAIXA LIQUIDEZ, INDÚSTRIA ELEVA PREÇO AO PRODUTOR

Cepea, 2/05/2018 – O mercado de trigo em grão segue com baixa liquidez, porém, cooperativas têm elevado ainda mais os preços pagos aos produtores, no intuito de estimular o semeio do grão nesta temporada. Moinhos, por sua vez, continuam abastecidos por mais de 60 dias, segundo colaboradores do Cepea, e demandam pontualmente alguns lotes, enquanto vendedores indicam preços bem maiores aos registrados em meses anteriores. No mercado brasileiro de derivados, de acordo com levantamento do Cepea, as cotações de farelo de trigo, especialmente para o ensacado, avançaram expressivamente, impulsionados pelas vendas de balcão na região Sul do País.

Fuente: CEPEA-Brasil


MILHO/CEPEA: PREÇOS RECUAM NA MAIORIA DAS REGIÕES

Cepea, 23/04/2018 – As cotações do milho estão em queda na maioria das regiões acompanhadas pelo Cepea. Indústrias têm ofertado valores menores, alegando ter estoques confortáveis no curto prazo. Vendedores, por sua vez, acabam sendo mais flexíveis nos preços, diante do maior volume disponível no Centro-Oeste e também proveniente da colheita em São Paulo e em Minas Gerais. Em Campinas (SP), o Indicador ESALQ/BM&FBovespa recuou 2,75% entre 13 e 20 de abril, fechando a R$ 38,82/sc de 60 kg na sexta-feira, 20.

No campo, o clima seco em regiões de milho segunda safra do Paraná e de Mato Grosso do Sul deixam agentes em alerta. Alguns produtores do Paraná, inclusive, preocupados com o rendimento das lavouras, já reduzem o ritmo de venda. Caso as precipitações não ocorram nos próximos dias, o desenvolvimento das lavouras pode ser prejudicado.

Fuente: CEPEA-Brasil

TRIGO/CEPEA: CLIMA SECO DIFICULTA SEMEIO E PREOCUPA TRITICULTORES DO PR; PREÇO SEGUE EM ALTA

Cepea, 24/4/2018 – Ainda que de forma tímida, o semeio de trigo já se iniciou em algumas regiões do Paraná acompanhadas pelo Cepea. No entanto, o clima seco no estado tem deixado produtores cautelosos quanto a um possível atraso no avanço das atividades. No Rio Grande do Sul, o semeio deve se iniciar em maio, mas agentes consultados pelo Cepea ainda estão indecisos quanto à área destinada ao cereal.

De um lado, produtores que conseguem remunerações mais atrativas podem elevar o cultivo, mas, de outro, a baixa liquidez deste mercado frente ao de outros grãos tende a reduzir o semeio. Quanto aos preços, seguem em alta no mercado brasileiro. Em algumas praças, como norte, oeste e sudoeste do Paraná e Ponta Grossa, os valores atingiram os maiores patamares do ano em termos nominais.

No estado sul-rio-grandense, os maiores preços do ano também foram verificados em Ijuí, Passo Fundo e Santa Rosa. Colaboradores do Cepea reportam que essas novas valorizações se devem ao incentivo de semeio do trigo das cooperativas, apesar das incertezas climáticas.

Fuente: CEPEA-Brasil


TRIGO/CEPEA: CENÁRIO EXTERNO E PREÇO INTERNO ATRATIVO PODEM AUMENTAR ÁREA NO BR

Cepea, 3/4/2018 – Os preços externos do trigo têm oscilado com força desde o início deste ano, mas seguem acima dos patamares verificados no final de 2017, sustentados pela baixa oferta de trigo de inverno e pelos estoques reduzidos nos Estados Unidos. Segundo pesquisadores do Cepea, esse cenário internacional, a menor oferta no Brasil em 2017 e a maior rentabilidade nas últimas semanas podem encorajar produtores nacionais a cultivar o cereal na safra 2018/19, que começa a ser semeada neste mês em algumas regiões. Quanto aos preços internos, estão firmes, mesmo com a retração de compradores e o maior número de vendedores no mercado. Segundo colaboradores do Cepea, o volume de trigo com qualidade ainda é baixo no Brasil, o que leva muitos compradores a importar o produto.

MILHO/CEPEA: RETRAÇÃO DE COMPRADORES MANTÉM QUEDAS

Cepea, 02/04/2018 – Os preços do milho continuam em baixa em muitas praças de São Paulo, Santa Catarina e de Mato Grosso do Sul. Em Campinas (São Paulo), região de referência para o Indicador ESALQ/BM&FBovespa, o recuo foi de 1,63% entre 23 e 29 de março, fechando a R$ 40,35/saca de 60 kg na quinta-feira, 29. No mês, porém, o Indicador ainda acumulou alta, de 2,93%. Pesquisadores do Cepea afirmam que compradores, abastecidos para o curto prazo, estão fora do mercado e atentos ao avanço da colheita do milho verão, o que eleva a disponibilidade interna. Produtores, por sua vez, também estão retraídos das vendas, à espera de reação nos preços. Nesse cenário, o ritmo de negócios continua lento

Fuente: CEPEA-Brasil


TRIGO/CEPEA: COTAÇÕES EM ALTA PODEM ESTIMULAR SEMEIO NESTE ANO

Cepea, 20/3/2018 – O valor do trigo pago ao produtor está em alta em todas as regiões acompanhadas pelo Cepea, devido ao maior preço ofertado por indústrias e também à menor competitividade do milho. Esses recentes aumentos, por sua vez, podem estimular produtores a semearem o cereal neste ano. Vale ressaltar que a área desta safra deve ser definida efetivamente entre abril e maio e vai depender do desempenho da colheita dos grãos de verão, especialmente no Paraná. Quanto aos derivados de trigo, o dólar um pouco mais valorizado e a baixa oferta de cereal de maior qualidade elevaram os preços de algumas farinhas nos últimos dias – cenário que deve continuar sendo observado nos próximos períodos.

MILHO/CEPEA: RETRAÇÃO VENDEDORA SUSTENTA PREÇOS NO BR

Cepea, 19/3/2018 – Os valores do milho seguem firmes no mercado interno, sustentados pela forte retração vendedora – conforme colaboradores do Cepea, apenas pequenos volumes têm sido disponibilizados para comercialização. Compradores, por sua vez, são obrigados a ceder nas negociações para repor estoques de curto prazo. No mercado internacional, agentes continuam atentos às lavouras na Argentina. Entre 9 e 16 de março, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (Campinas – SP) permaneceu praticamente estável (+0,07%), fechando a R$ 41,45/sc de 60 kg na sexta-feira, 16.

Fuente: CEPEA-Brasil


MILHO/CEPEA: INDICADOR É O MAIOR DESDE SETEMBRO DE 2016

Cepea, 12/03/2018 – As cotações do milho continuam em alta no Brasil e no mercado externo. Segundo pesquisadores do Cepea, a restrição vendedora e as incertezas quanto à segunda safra nacional e à produção argentina impulsionam os preços de novos negócios. As elevações são observadas apesar do período de colheita da temporada de verão e dos bons volumes ainda em estoque. Entre 2 e 9 de março, o Indicador do milho ESALQ/BM&FBovespa (Campinas – SP) subiu expressivos 3,4%, fechando a R$ 41,42/saca de 60 kg na quinta-feira, 8, o maior patamar nominal desde 30 de setembro de 2016.

TRIGO/CEPEA: IMPORTAÇÃO DIMINUI, ELEVANDO LIQUIDEZ E VALOR DO TRIGO NO BR

Cepea, 13/2/2018 – As maiores despesas com importação têm reduzido as compras de trigo do mercado externo e elevado a liquidez no Brasil – de janeiro para fevereiro, o volume importado diminuiu 37%, totalizando 420,47 mil toneladas (Secex) no mês passado. Segundo pesquisadores do Cepea, esse cenário, que está atrelado ao período de entressafra no Brasil e na Argentina, já tem resultado em alta nos preços internos do trigo.

Fuente: CEPEA-Brasil


MILHO/CEPEA: MERCADO APRESENTA FORTE ALTA EM FEVEREIRO

Cepea, 05/03/2018 – Os preços de milho vêm apresentando fortes altas nos mercados externo e interno, segundo informam pesquisadores do Cepea. No cenário internacional, as cotações são impulsionadas especialmente por preocupações quanto ao clima na Argentina. No Brasil, muitos demandantes estão com baixos estoques e, com isso, precisam ceder nas negociações para conseguir comprar novos lotes de milho – esse cenário é verificado especialmente no mercado paulista. Neste ambiente de alta, produtores/vendedores consultados pelo Cepea ofertam apenas pequenos lotes, dando prioridade aos negócios envolvendo a soja, que apresenta maior liquidez. Em fevereiro, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (Campinas – SP) avançou 19,6%, e entre 23 de fevereiro e 2 de março, 9%, fechando a R$ 40,06/saca de 60 kg na sexta-feira, 2

INDICADOR DO MILHO ESALQ/BM&FBOVESPA (ultimos 30 días)

TRIGO/CEPEA: PARIDADE DE IMPORTAÇÃO ELEVADA ESTIMULA COMPRAS NO BR

Cepea, 06/03/2018 – Demandantes brasileiros têm se voltado às compras de trigo no mercado nacional, ainda que pontualmente, segundo pesquisadores do Cepea. Esse cenário foi favorecido pelas recentes e fortes elevações nas cotações externas do cereal, fator que eleva a paridade de importação. Considerando-se as regiões acompanhadas pelo Cepea, a liquidez está mais elevada em Ponta Grossa (Paraná), onde há boa demanda para processamento, mas a disponibilidade do cereal de qualidade ainda é baixa. Quanto aos derivados, as chuvas melhoraram a qualidade das pastagens e reduziram a demanda por farelo de trigo. As recentes valorizações do milho (ambos os cereais são substitutos na ração animal) ainda não foram suficientes para voltar a aquecer as negociações do derivado de trigo. Em relação à farinha, os negócios também seguem lentos. Compradores estão atentos aos melhores momentos de comercialização e vendedores estão à espera de aumento nos preços, alegando que as margens estão negativas. 

PREÇO MÉDIO DO TRIGO CEPEA/ESALQ - PARANÁ (ultimos 30 días)

Publicado: 07-03-2018
Fuente: CEPEA-Brasil


TRIGO/CEPEA: COMPRADORES ADQUIREM LOTES PONTUAIS E LIQUIDEZ SE ENFRAQUECE

As negociações envolvendo trigo estão limitadas no mercado spot. A expectativa era que, após o carnaval, o volume comercializado fosse maior, mas moinhos brasileiros realizam compras pontuais de novos lotes do cereal no mercado interno, visto que muitos se mostram abastecidos. Além disso, parte dos produtores consultados pelo Cepea está concentrada na colheita de milho e de soja, que apresentam maior liquidez. Mesmo com a baixa liquidez nesta entressafra, os preços do cereal registraram altas nas regiões produtoras acompanhadas pelo Cepea.

MILHO/CEPEA: INDICADOR SOBE 8% E ULTRAPASSA OS R$ 36/SC

As cotações do milho seguem em alta na maior parte das regiões acompanhadas pelo Cepea. Os aumentos mais expressivos são verificados nas praças consumidoras, como São Paulo. Segundo colaboradores do Cepea, a alta está atrelada principalmente ao aumento do frete nos últimos dias, reflexo do avanço do escoamento da soja. Entre 16 e 23 de fevereiro, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (referência Campinas – SP) subiu significativos 8%, fechando a R$ 36,76/saca de 60 kg na sexta-feira, 23 – o maior patamar nominal desde janeiro/17.

Publicado: 28-02-2018
Fuente: CEPEA-Brasil


MILHO/CEPEA: BAIXA LIQUIDEZ PRESSIONA INDICADOR EM JANEIRO

O mercado de milho inicia fevereiro com estoques em volume recorde e ritmo de comercialização lento. Conforme colaboradores do Cepea, produtores/vendedores, principalmente os do Centro-Oeste, seguem priorizando a comercialização da soja – algumas empresas, inclusive, têm armazenado o milho da safra passada para negociar a oleaginosa da atual temporada. Além disso, transportadoras também têm dado preferência ao carregamento da oleaginosa neste momento. Quanto aos preços, por enquanto, a maior oferta de cereal proveniente do início da colheita de verão do Sudeste e do Sul do País pressiona ou impede uma reação mais forte nos preços. No entanto, parte dos agentes tem expectativa de que os valores do cereal possam se recuperar, fundamentados nas incertezas quanto à segunda safra. No dia 31, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (referência Campinas – SP) fechou a R$ 32,77/saca de 60 kg, queda de 2,96% no acumulado do mês. Entre 26 de janeiro e 2 de fevereiro, especificamente, o Indicador subiu 1,9%, fechando a R$ 33,20/sc no dia 2. O impulso dos últimos dias está atrelado, sobretudo, à necessidade de compradores de adquirir o cereal e à retração vendedora, que, por conta de chuvas e dificuldades relacionas à colheita, ainda limita os negócios a lotes pequenos e pontuais.

TRIGO/CEPEA: PREÇOS TÊM COMPORTAMENTOS DISTINTOS NOS ESTADOS PRODUTORES E CONSUMIDORES

Os preços do trigo no mercado de lotes registraram comportamentos distintos em janeiro entre os principais estados produtores e consumidores do cereal consultados pelo Cepea. As médias do Paraná e do Rio Grande do Sul, maiores produtores, caíram no acumulado de janeiro, devido à maior disponibilidade e também à menor qualidade do trigo, fazendo com que compradores consultados pelo Cepea pressionassem os valores do cereal no momento da aquisição. Já em São Paulo e Santa Catarina, regiões consumidoras, as cotações médias subiram. As altas se devem aos maiores valores externos e também logísticos de importação. No entanto, esses aumentos foram compensados pela desvalorização cambial, que elevou a paridade de importação.

Publicado: 06-02-2018
Fuente: CEPEA-Brasil


TRIGO/CEPEA: MAIOR DEMANDA DE MOINHOS IMPULSIONA PREÇO DO GRÃO

As vendas de produtos derivados do trigo aumentaram um pouco em dezembro. Com isso, alguns moinhos consultados pelo Cepea mostram necessidade de repor estoques de farinhas, se voltando às aquisições da matéria-prima. Essa ação, no entanto, não foi generalizada, uma vez que parte dos moinhos tem trigo para receber de contratos realizados anteriormente. Em alguns casos, determinadas unidades tentam negociar o produto por meio de contratos, para receber o cereal conforme a necessidade. Vendedores, por sua vez, estão optando por comercializar o produto quando a entrega é rápida, já que pretendem liberar espaço nos armazéns.

Conforme colaboradores do Cepea, agentes brasileiros estão atentos à movimentação dos valores do cereal nacional neste período de entressafra. Na Argentina, principal fornecedora do Brasil, os preços estão em alta nos portos mais importantes do país e devem seguir subindo nos próximos meses, sustentados pela maior demanda. Apesar disso, as recentes desvalorizações cambiais e a safra volumosa na Argentina podem incentivar compradores brasileiros a importarem o cereal do país vizinho.

MILHO/CEPEA: DISPONIBILIDADE SEGUE LIMITADA NO MERCADO PAULISTA

A oferta de milho no mercado paulista está restrita, visto que o volume colhido ainda é pequeno – em alguns casos, o cereal ainda apresenta alta teor de umidade. Compradores desse estado consultados pelo Cepea continuam optando por negociar pequenos lotes, enquanto vendedores capitalizados seguem concentrados na colheita. Entre 19 e 26 de janeiro, o Indicador do milho ESALQ/BM&FBovespa, Campinas (SP), subiu 0,74%, indo a R$ 32,57/saca de 60 kg nessa sexta-feira, 26.

Quanto às exportações, o ritmo tem perdido a força. Na parcial de janeiro (em 14 dias úteis), o Brasil embarcou 2,13 milhões de toneladas do cereal, com média diária de 152,2 mil toneladas. Caso permaneçam neste ritmo até o final do mês, as exportações brasileiras devem somar 3,35 milhões de toneladas em janeiro, segundo a Secex. A perspectiva é que as exportações de milho diminuam nas próximas semanas e meses, em função da prioridade de produtores em negociar a soja.

Publicado: 31-01-2018
Fuente: CEPEA-Brasil


TRIGO/CEPEA: PREÇOS SE ELEVAM NO SUL, MAS REGISTRAM QUEDA NO SUDESTE

Cepea, 23/01/2018: Os preços de trigo no Brasil registram comportamentos distintos entre as regiões acompanhadas pelo Cepea. Enquanto no Sul a demanda interna sustenta e/ou valoriza o cereal, no Sudeste, a necessidade de liberar armazéns pressiona as cotações. Por outro lado, na Argentina e nos Estados Unidos os preços do trigo estão em alta. No país vizinho, o impulso vem da demanda exportadora mais ativa, que, inclusive, já vem gerando expectativa de maiores preços do cereal nos principais portos nos próximos meses. Nos Estados Unidos, os valores do trigo estão em alta na CME Group, devido à previsão de clima seco para o sul das Grandes Planícies norte-americanas, região onde é cultivada boa parte da safra de inverno.


MILHO/CEPEA: COM MAIOR OFERTA, COTAÇÕES RECUAM NA MAIORIA DAS REGIÕES

Cepea, 22/1/2018: A maior disponibilidade interna tem pressionado os valores do milho em muitas regiões acompanhadas pelo Cepea nos últimos dias. A queda está trelada ao início da colheita no Sul do Brasil e aos estoques atuais, considerados altos. No Centro-Oeste, a dificuldade de colheita da soja tem prejudicado o semeio da segunda safra e, no Paraná, podem ocorrer atrasos diante do cultivo mais tardio da oleaginosa em 2017. Especificamente no mercado paulista, as cotações caíram com força nos primeiros dias da semana passada, quando um maior número de vendedores estava ativo. No entanto, a partir da quarta-feira, 17, vendedores/produtores voltaram a diminuir a oferta. De 12 a 19 de janeiro, o Indicador do milho ESALQ/BM&FBovespa (Campinas – SP) recuou 1,49%, a R$ 32,33/saca de 60 kg nessa sexta-feira, 19.

Publicado: 26-01-2018
Fuente: CEPEA-Brasil


MILHO/CEPEA: COTAÇÕES REGISTRAM COMPORTAMENTOS DIFERENTES ENTRE AS REGIÕES

Cepea, 15/1/2018: Os preços de milho têm registrado comportamento distinto entre as regiões acompanhadas pelo Cepea neste início de 2018. Em regiões de maior disponibilidade de produto, como no Centro-Oeste e Paraná, a maior presença compradora sustentou as cotações na maioria das localidades. Porém, nas compradoras, como no Sudeste, Rio Grande do Sul e Nordeste (especialmente Recife), os preços das regiões superavitárias estão chegando a níveis menores, pressionando os valores – essas regiões tinham registrado elevação de preços em novembro e dezembro, aumentando os diferenciais de base e melhorando a atratividade de produto de fora dos estados. O Indicador do milho ESALQ/BM&FBovespa (Campinas/SP) recuou 1,47% de 5 a 12 de janeiro, indo a R$ 32,82/saca de 60 kg na sexta, 12.


TRIGO/CEPEA: PREÇOS DOS DERIVADOS SOBEM EM TENTATIVA DE REPASSE DOS CUSTOS

Cepea, 16/01/2018: Agentes de moinhos têm tentado repassar os maiores custos do grão para os derivados no mercado brasileiro, segundo informam pesquisadores do Cepea, devido aos aumentos nos valores internos do trigo no ano passado e à recente sustentação das cotações internacionais. Por enquanto, os ajustes de preços ainda têm sido pontuais, mas esse cenário pode se intensificar devido à possível demanda mais elevada com a volta às aulas. De acordo com informações da Conab divulgadas na quinta-feira, 11, a área de trigo colhida em 2017 foi de 1,916 milhão de hectares, 9,6% menor que a da temporada anterior e a produtividade, em 2.225 kg/ha, 29,9% abaixo da de 2016. Com isso, a produção passou a ser prevista em 4,26 milhões de t, 36,6% inferior à do ano anterior.

Publicado: 16-01-2018
Fuente: CEPEA-Brasil


TRIGO/CEPEA: COM POUCOS AGENTES ATIVOS, COTAÇÕES RECUAM

Cepea, 9/1/2018 – Neste início de 2018, poucos agentes consultados pelo Cepea estão ativos no mercado de trigo. Quanto ao grão, vendedores estão ausentes das negociações, preferindo vender soja e milho para que, neste período de entressafra, consigam obter cotações mais elevadas do cereal. Em relação aos derivados, a baixa liquidez do mercado está atrelada à ausência das indústrias, especialmente as de ração animal, diminuindo o interesse pelo farelo de trigo neste período. Em contrapartida, no segmento de farinhas, uma parte das empresas já iniciou o movimento de repasse aos preços, devido ao aumento de custos, enquanto outras ainda aguardam as próximas semanas para se posicionarem em relação a valores e volumes a serem comercializados


MILHO/CEPEA: APESAR DA REDUÇÃO DE ÁREA, ALTO ESTOQUE PODE MANTER PRESSÃO SOBRE COTAÇÕES

Cepea 8/1/2017 – Após safra brasileira 2016/17 recorde e consequente queda nos preços internos, a área de milho da temporada 2017/18 deve ser a menor desde 1976/77. De acordo com colaboradores do Cepea, além da menor rentabilidade com a cultura na última safra, a redução de área também está atrelada ao atraso na colheita da soja em algumas regiões brasileiras. Apesar disso, o alto estoque de passagem deve manter elevada a disponibilidade interna do cereal. Em termos mundiais, a menor produtividade deve reduzir a oferta de milho, enquanto as transações internacionais devem crescer, o que pode favorecer as exportações brasileiras.

Publicado: 21-12-2017
Fuente: CEPEA-Brasil


MILHO/CEPEA: ESTIMATIVA DE MENOR SAFRA E RETRAÇÃO VENDEDORA SUSTENTAM VALORES

Cepea, 18/12/2017: Os preços do milho seguem em alta na maior parte das regiões acompanhadas pelo Cepea, sustentados pela retração de vendedores. Além disso, as novas estimativas da Conab reforçando a menor oferta no Brasil também influenciam a firmeza nos preços internos. Nesse ambiente, compradores com mais necessidade de aquisição precisam ceder para fechar novos negócios. No geral, a liquidez está baixa, com os poucos negócios envolvendo apenas pequenos lotes. De 8 a 15 de dezembro, na região de Campinas (SP), o Indicador ESALQ/BM&FBovespa avançou 2,4%, fechando a R$ 32,36/saca de 60 kg na sexta-feira, 15.


TRIGO/CEPEA: APESAR DE LIQUIDEZ INTERNA LENTA, PREÇO SEGUE FIRME

Cepea, 19/12/2017: Neste final de ano, a liquidez no mercado interno de trigo está lenta. Isso porque, além da demanda estar enfraquecida, produtores estão retraídos, à espera do reaquecimento na procura pelo cereal, especialmente de maior qualidade. Outros fatores que reduzem a liquidez no mercado doméstico é a proximidade dos recessos de fim de ano e as dificuldades logísticas típicas deste período. Apesar desse cenário, os preços seguem firmes na maior parte das regiões acompanhadas pelo Cepea.

Publicado: 21-12-2017
Fuente: CEPEA-Brasil


TRIGO/CEPEA: IMPORTAÇÃO AUMENTA, MAS PREÇO INTERNO SEGUE FIRME

Cepea, 12/12/2017: As importações brasileiras de trigo seguem em bom ritmo, mas a comercialização no mercado interno continua lenta. Conforme pesquisadores do Cepea, enquanto o vendedor está retraído, sem necessidade de fazer caixa, compradores se mostram abastecidos até o próximo ano, principalmente devido às importações. Mesmo assim, as cotações domésticas seguem firmes, refletindo, entre outros motivos, o maior custo do trigo importado. Considerando-se o dólar a R$ 3,26 em novembro, o valor médio das importações foi de R$ 642,25/t FOB (Free on Board origem). Ao adicionar os custos logísticos e despesas portuárias, a média do trigo importado fica bem acima da registrada no mercado disponível brasileiro. No mês passado, as importações brasileiras de trigo somaram 476,2 mil toneladas, aumento de 14,6% frente ao mês
anterior, segundo dados da Secex.


MILHO/CEPEA: COM PROXIMIDADE DO FINAL DO ANO, NEGÓCIOS ESTÃO EM RITMO LENTO

Cepea, 11/12/2017: A comercialização de milho está praticamente paralisada no mercado brasileiro, de acordo com pesquisas do Cepea. Vendedores estão retraídos, à espera de valores mais elevados, enquanto compradores mostram pouco interesse em negociar grandes lotes. Além disso, a proximidade do recesso de final de ano já tem
reduzido o ritmo de negociação do cereal. Nesse ambiente, prevaleceu a pressão de vendedores, o que reflete em aumento dos preços na maior parte das regiões acompanhadas pelo Cepea. Na região de Campinas (São Paulo), referência do Indicador ESALQ/BM&FBovespa, avançou 2,1% entre 1º e 8 de dezembro, fechando a R$ 31,58/saca de 60 kg, na sexta-feira, 8.

Publicado: 12-12-2017
Fuente: CEPEA-Brasil


TRIGO/CEPEA: GRÃO SE VALORIZA; PREÇOS DOS DERIVADOS RECUAM

Cepea, 05/12/2017: Os preços do trigo em grão estão em alta na maioria das regiões acompanhadas pelo Cepea, devido aos menores estoques do cereal de boa qualidade no Sul do Brasil e à demanda aquecida e ao aumento no valor do transporte no Sudeste. Por outro lado, a baixa liquidez e a necessidade de moinhos de escoar os produtos do armazém têm pressionado, de modo geral, os valores dos derivados. Quanto à colheita da safra 2017/18, no Paraná, as atividades estão praticamente finalizadas. Das lavouras que ainda estão no campo, segundo o Deral/Seab, 65% apresentam condições boas, 28%, médias e 8%, ruins – informações até o dia 27 de novembro.

MILHO/CEPEA: COM EXPORTAÇÕES ENFRAQUECIDAS E MAIOR OFERTA, PREÇOS CAEM EM NOVEMBRO

Cepea, 04/12/2017: Os preços de milho caíram na maior parte das regiões acompanhadas pelo Cepea em novembro. Esse cenário se deve ao fraco ritmo de exportações do cereal nas últimas semanas e ao maior interesse interno de venda. Apesar da queda nas cotações, o ritmo de negócios ainda é lento, visto que, enquanto empresas limitam as compras a pequenos lotes, vendedores voltam as atenções às atividades de campo. Em novembro, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (Campinas – SP) recuou fortes 5,1%, fechando a R$ 30,59/saca de 60 quilos no último dia útil do mês.

Publicado: 06-12-2017
Fuente: CEPEA-Brasil


TRIGO/CEPEA: APÓS ALGUMAS SEMANAS EM ALTA, PREÇOS DO GRÃO E DO FARELO RECUAM

Cepea, 21/11/2017 – Diferente do observado nas semanas anteriores, os preços do trigo recuaram nos últimos dias, refletindo a maior oferta no Rio Grande do Sul. Conforme colaboradores do Cepea, produtores do estado têm elevado o interesse de venda em função da baixa qualidade do cereal colhido recentemente, cautelosos também quanto a novas quedas nos valores. No mercado de derivados, os preços do farelo de trigo recuaram, devido à maior oferta de triguilho e às chuvas dos últimos dias no Sul do País, que favoreceram as pastagens. Quanto às farinhas, ainda prevalece o baixo interesse de compra e as cotações da maioria delas recuaram nos últimos dias.


MILHO/CEPEA: COMPRADOR SE RETRAI E PREÇO RECUA EM SP

Cepea, 20/11/2017 – Os preços do milho apresentaram comportamentos distintos entre as praças acompanhadas pelo Cepea nos últimos dias. Enquanto as cotações no interior paulista registraram ligeira queda, os valores subiram na região Centro-Oeste. Segundo colaboradores do Cepea, compradores paulistas têm procurado efetivar novos negócios com vendedores do Centro-Oeste, onde a oferta do cereal é mais abundante neste período do ano, limitando o movimento de alta. Na última semana, as compras foram antecipadas, devido ao feriado de Proclamação da República, na quarta-feira, 15, diminuindo ainda mais o ritmo de negociação na segunda metade do período. Na região de Campinas (SP), referência do Indicador ESALQ/BM&FBovespa, a ausência de compradores no mercado e a maior entrada de lotes de outas localidades pressionaram os valores internos.

Publicado: 21-11-2017
Fuente: CEPEA-Brasil


MILHO/CEPEA: RETRAÇÃO VENDEDORA E BAIXA LIQUIDEZ SUSTENTAM ALTAS; EM SP, PREÇO RECUA

Cepea, 13/11/2017 – Os preços do milho continuam em alta na maior parte das regiões acompanhadas pelo Cepea. Com a divulgação de novas estimativas da Conab indicando menor produção do milho verão na próxima safra e continuidade do ritmo forte das exportações, a negociação do cereal segue lenta, sustentando o movimento de alta dos valores. No estado de São Paulo, por outro lado, diante das altas nas últimas semanas, compradores vêm procurando cada vez mais realizar novos negócios com vendedores do Centro-Oeste, que têm maior disponibilidade do produto neste período de entressafra paulista. Assim, a entrada de milho do Centro-Oeste pressionou as cotações em São Paulo. O Indicador ESALQ/BM&FBovespa (Campinas – SP) fechou a R$ 32,68/saca de 60 kg no dia 10, recuo de 0,58% em relação ao dia 3.

TRIGO/CEPEA: PROCURA ELEVADA IMPULSIONA VALORES NO RS

Cepea, 14/11/2017 – A elevada procura pelo trigo de qualidade do Rio Grande do Sul, principalmente por compradores do Paraná e de Santa Catarina, tem impulsionado os valores do cereal. Conforme pesquisadores do Cepea, além da demanda aquecida, as quebras de safra no Brasil, devido às chuvas em excesso durante o desenvolvimento e a maturação das lavouras, e a baixa oferta do trigo argentino (principal fornecedor do grão ao mercado brasileiro) neste momento de início de colheita também elevaram as cotações. No mercado de derivados, os valores da maioria das farinhas recuaram nos últimos dias, refletindo o baixo interesse de compradores. Para o farelo, as negociações seguem lentas e os preços estão em alta.

Publicado: 15-11-2017
Fuente: CEPEA-Brasil


MILHO/CEPEA: INDICADOR SOBE E RETOMA PATAMAR DE MAR/17

Cepea, 6/11/2017: O forte ritmo das exportações, aliado à perspectiva de redução da área de milho verão, tem mantido vendedores retraídos, na expetativa de preços maiores nas próximas semanas. Por outro lado, compradores se mostram mais flexíveis nas negociações, com o objetivo de repor estoques. Neste cenário, o mercado brasileiro de milho continua em alta. O Indicador ESALQ/BM&FBovespa (Campinas-SP) subiu 3,5% em sete dias, indo a R$ 32,87/saca de 60 quilos na sexta-feira, 3 – mesmo patamar nominal registrado em março/17. Em outubro, o Indicador apresentou a maior média do segundo semestre deste ano, de R$ 30,38/sc, 4,1% superior à média de setembro, mas 28% inferior à de mesmo período de 2016.


TRIGO/CEPEA: VALORES REGISTRAM COMPORTAMENTOS DISTINTOS

Cepea, 7/11/2017: Os preços do trigo em grão registraram comportamentos distintos no acumulado de outubro (de 29 de setembro a 31 de outubro) nas regiões acompanhadas pelo Cepea, movimento que permanece neste início de novembro. Segundo colaboradores do Cepea, o recuo de algumas cotações esteve atrelado à boa disponibilidade do cereal da safra 2017/18 e ao baixo interesse de compra no mês passado, uma vez que moinhos estiveram cautelosos em realizar novas negociações diante das baixas qualidade e produtividade do trigo nesta temporada. As altas, por sua vez, se justificam pela presença de lotes da safra passada, que têm custo maior. No mercado de derivados, os preços da maioria das farinhas recuaram no mês passado, enquanto que as cotações do farelo seguiram firmes, cenário que persistiu na primeira semana de novembro. No acumulado de outubro, os valores da farinha para panificação caíram 3,68%; já o farelo a granel e o ensacado registraram altas de 6,32% e de 6%, respectivamente, no mesmo período.

Publicado: 08-11-2017
Fuente: CEPEA-Brasil


TRIGO/CEPEA: DÓLAR SOBE E ELEVA PREÇOS E VENDAS NO BR

Cepea, 31/10/2017 – Mesmo com a colheita em reta final no Paraná e avançando no Rio Grande do Sul, os preços do trigo continuam em altos patamares. Segundo pesquisadores do Cepea, esse cenário se deve à alta do dólar entre 20 e 27 de outubro, de 1,8% – na última quinta-feira, 26, a moeda atingiu o maior valor nominal desde julho/17, de R$ 3,276. Com isso, a paridade de importação se elevou e compradores voltaram suas atenções ao produto nacional. Além disso, a baixa oferta e a qualidade inferior do trigo também têm contribuído para as altas. Quanto às negociações, ocorrem pontualmente, uma vez que moinhos têm bons estoques. Apesar disso, o mercado apresentou melhor liquidez frente às semanas anteriores, visto que os lotes ofertados contêm os primeiros volumes colhidos e apresentam qualidade superior.


MILHO/CEPEA: VENDEDORES REDUZEM OFERTA E VALORES SEGUEM EM ALTA

Cepea, 30/10/2017 – As cotações do milho continuam subindo no mercado interno, devido à retração de vendedores, que acreditam em novas valorizações nas próximas semanas. Esse comportamento, por sua vez, está atrelado a incertezas quanto ao desenvolvimento da nova safra de verão de milho e de soja, e ao bom ritmo das exportações. Nesse contexto, segundo colaboradores do Cepea, vendedores vêm postergando as negociações de grandes lotes, limitando os volumes ofertados. Compradores, por outro lado, estão mais ativos no mercado, visto que estão com estoques reduzidos. Assim, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (Campinas/SP) subiu 5,7% no acumulado do mês, a R$ 31,76/saca de 60 quilos na sexta-feira, 27.

Publicado: 01-11-2017
Fuente: CEPEA-Brasil


TRIGO/CEPEA: CHUVAS PREJUDICAM LAVOURAS NO RS

Cepea, 24/10/2017: Chuvas têm afetado a qualidade e a produtividade das lavouras de trigo no Sul do País. Especificamente no Rio Grande do Sul, precipitações em excesso no atual momento impedem o desenvolvimento e a maturação adequada das lavouras, bem como o avanço da colheita. Segundo colaboradores do Cepea, essas mesmas lavouras tiveram atraso no cultivo por conta do excesso de chuvas no primeiro semestre e, em seguida, com a interrupção das precipitações, registraram problemas com a baixa umidade no solo. Apesar de a colheita ainda estar no início, colaboradores do Cepea têm reportado qualidade inferior à esperada para o cereal gaúcho. Além disso, há registros de doenças na região, elevando o custo e reduzindo a produtividade. Quanto aos preços do trigo em grão, estão em patamares mais elevados, refletindo a demanda um pouco mais aquecida e a necessidade de fixação nas cooperativas, devido às quebras de safra e, consequentemente, à oferta restrita.



MILHO/CEPEA: CHUVAS REDUZEM MOVIMENTO DE ALTA DOS PREÇOS

Cepea, 23/10/2017: As chuvas dos últimos dias em parte das regiões produtoras acompanhadas pelo Cepea trouxeram melhores perspectivas de desenvolvimento às lavouras de milho verão, cenário que reduziu o movimento de alta dos preços. Vendedores demonstraram mais interesse em negociar, voltando a ofertar maiores volumes no mercado, ainda que pontualmente. Compradores, por sua vez, se beneficiaram do leve aumento da disponibilidade do cereal. Nesse cenário, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (Campinas/SP) registrou aumento de 1,5% entre 13 e 20 de outubro, indo a R$ 31,73/saca de 60 quilos no dia 20.

Publicado: 25-10-2017
Fuente: CEPEA-Brasil


TRIGO/CEPEA: BAIXO PATAMAR DE PREÇO DO GRÃO PRESSIONA COTAÇÕES DA FARINHA

Cepea, 17/10/2017: Os preços das farinhas caíram no mercado interno por mais uma semana, devido, principalmente, ao baixo custo de aquisição do trigo da safra 2017/18. Além disso, conforme colaboradores do Cepea, a maior oferta do grão no Paraná impediu o avanço das cotações das farinhas no Rio Grande do Sul.

Já no mercado de farelo de trigo, os preços seguem sustentadas pela baixa oferta e competitividade com o milho, que vem apresentando valorizações. Quanto ao grão, os valores permanecem em baixa.


MILHO/CEPEA: PROCURA IMPULSIONA INDICADOR EM QUASE 3%

Cepea, 16/10/2017: Os preços do milho voltaram a subir na maioria das regiões acompanhadas pelo Cepea, refletindo o maior número de compradores no mercado. Além disso, o bom ritmo das exportações e a divulgação de estimativas da Conab de menor oferta na safra verão 2017/18 também favorecem as altas.

No mercado paulista, especificamente, os valores foram impulsionados pela demanda mais firme e pela retração produtora. Na sexta-feira, 13, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa do milho (Campinas/SP) fechou a R$ 31,27/saca de 60 quilos, significativo aumento de 2,9% frente à sexta anterior, 6, e o maior preço desde o dia 27 de março deste ano


Publicado: 18-10-2017
Fuente: CEPEA-ESALQ-Brasil


TRIGO/CEPEA: COMPRADOR SE AFASTA DO MERCADO E TRAVA NEGOCIAÇÕES

Cepea, 10/10/2017 – As negociações estão praticamente paralisadas no mercado de trigo, apesar do período de safra. Segundo colaboradores do Cepea, produtores seguem retraídos, já que os preços recebidos pelo grão estão abaixo do mínimo estabelecido pelo governo, de R$ 38,65/saca de 60 kg para o Sul; R$ 42,53/sc para o Sudeste, e de R$ 44,26/sc para Centro-Oeste e Bahia. Além disso, moinhos seguem cautelosos quanto a novas aquisições, devido à baixa qualidade do cereal colhido.

Quanto aos preços, as oscilações do dólar frente ao Real em setembro fizeram com que demandantes nacionais ainda se voltassem às compras do trigo importado. Nesse cenário, as cotações seguem em queda no mercado interno.

MILHO/CEPEA: DIFERENÇA ENTRE PREÇO PEDIDO E OFERTADO REDUZ LIQUIDEZ INTERNA

Cepea, 9/10/2017 – A liquidez voltou a diminuir no mercado brasileiro de milho. Segundo pesquisadores do Cepea, perspectivas diferentes quanto aos preços para as próximas semanas e/ou meses ampliaram a diferença entre os valores nas regiões acompanhadas, dificultando os acordos entre compradores e vendedores. O foco de agentes continua nas exportações e no cultivo da nova safra de verão de soja e de milho. Quanto aos preços, segundo colaboradores do Cepea, a oferta do cereal continua restrita, mas a retração de compradores domésticos vinha pressionando as cotações na região de Campinas (SP).

Na sexta-feira, 6, especificamente, compradores tiveram de aumentar o valor de suas ofertas devido à necessidade imediata de adquirir lotes, o que impulsionou o Indicador ESALQ/BM&FBovespa em 1,16% na região paulista frente à sexta anterior, 29, fechando a R$ 30,39/saca de 60 quilos no dia 6.


Publicado: 11-10-2017
Fuente: CEPEA-ESALQ-Brasil


MILHO/CEPEA: COM AUMENTO DA OFERTA, INDICADOR VOLTA A CAIR

Cepea, 2/10/2017 – O movimento de alta dos preços do milho, observado em praticamente todo o mês de setembro, perdeu força no encerramento do período. Segundo pesquisadores do Cepea, esse cenário está atrelado à maior oferta do cereal na última semana de setembro, já que, com os preços em bons patamares durante o mês, vendedores estiveram mais interessados em negociar, elevando o volume disponível. Além disso, a previsão de chuvas para esta semana reduziu as especulações quanto a um possível risco climático para a safra 2017/18, pressionando os valores. Nesse cenário, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa recuou 2% entre 22 e 29 de setembro, fechando a R$ 30,04/saca de 60 quilos na sexta-feira, 29. No acumulado do mês, no entanto, o Indicador subiu fortes 10%. A média mensal, por sua vez, de R$ 29,11/sc, é a maior desde março deste ano, em termos nominais.


TRIGO/CEPEA: CONDIÇÕES DAS LAVOURAS PREOCUPAM NO BRASIL E NA ARGENTINA

Cepea, 3/10/2017 – As lavouras de trigo da América do Sul não estão em boas condições. No Brasil, conforme relatos de colaboradores do Cepea, os baixos índices pluviométricos prejudicaram a qualidade das cultivares em partes das regiões produtoras. Na Argentina, por outro lado, chuvas em excesso têm sido motivo de preocupação. Esses cenários devem resultar em queda na qualidade do cereal e na quantidade a ser colhida. Quanto aos preços, seguem em queda no mercado doméstico, embora em menor intensidade, refletindo a boa disponibilidade do trigo da nova safra e o baixo interesse de compra.

Publicado: 03-10-2017
Fuente: CEPEA-ESALQ-Brasil


Noticias Agrícolas - Precios en Brasil

Cliente 3

El Clima por Departamentos

(Click en el mapa )